5 dicas de contabilidade para dentistas

Você já parou para pensar nas questões de contabilidade para dentistas? Profissionais da área de saúde costumam estar tão ocupados com compromissos médicos que não têm tempo para lidar com a parte burocrática.

Todavia, ignorar a parte contábil pode gerar problemas para o dentista, seja ele dono do seu próprio consultório ou um profissional autônomo. Essas dificuldades vão desde mais tempo para declarar o Imposto de Renda até possíveis multas por não estar em conformidade com a legislação.

Se você é um dentista e quer evitar esses problemas, precisa conhecer as 5 dicas que separamos. Veja a seguir!

1) Comece definindo que tipo de profissional você é

O ponto de partida quando falamos de contabilidade para dentistas é definir de que tipo de profissional estamos falando.

Não no sentido de um ser especialista em periodontia ou endodontia, mas sim no caso de trata-se de um profissional autônomo terceirizado ou um dono de consultório.

Um profissional autônomo que trabalha em clínicas de outras pessoas (por exemplo, que atende em consultórios de planos de saúde) terá uma série de compromissos jurídicos e contábeis a tratar.

Por outro lado, o dentista que for dono da sua própria clínica terá um outro cenário contábil a lidar. Exemplificando:  o dono de um consultório deverá contratar assistentes ou recepcionistas e, portanto, terá de lidar com os encargos trabalhistas e responsabilidades desses vínculos.

O primeiro passo para lidar com a contabilidade para dentistas é, portanto, descobrir quais as suas responsabilidades contábeis.

2) Separe os gastos pessoais dos profissionais

Um dos erros mais comuns com dentistas autônomos, sejam aqueles que abriram uma clínica recentemente ou que trabalham em outros consultórios, é misturar os seus gastos pessoais com os gastos profissionais.

Um caso típico de quem abriu a própria clínica é adquirir um cartão de crédito através do CNPJ, usado-o para o consultório. Com esse cartão, o profissional também paga o almoço, o café da manhã e o jantar, além de saídas no fim de semana.

Esses são gastos pessoais e devem ser de responsabilidade única do dentista. As contas e recursos do consultório são para os gastos e movimentações do próprio consultório.

Se não houver essa separação, fica difícil saber como o consultório está financeiramente e sua administração fica prejudicada.

3) Defina o seu pró-labore adequadamente

O pró-labore é um valor recebido pelos donos ou sócios de uma empresa pelo trabalho realizado na mesma.

Por exemplo, suponha que você abriu um consultório odontológico e começou a atender uma média de 20 pacientes por mês.

Todos os dias você está lá trabalhando, atendendo pacientes, oferecendo seus serviços e gerando faturamento para a clínica. Portanto, deve receber um pagamento por isso. Esse valor recebido não é um salário, mas sim o pró-labore.

É importante definir o pró-labore corretamente para fortalecer a separação entre as contas da empresa e do profissional.

Faz-se essencial que o consultório consiga faturar o suficiente para ter lucro, mesmo pagando por um pró-labore condizente aos seus sócios ou administradores. Por isso, o dentista deve começar o mais cedo possível a definir um valor para ser o seu “salário”.

4) Mantenha um processo de escrituração contábil

A escrituração contábil é um processo dentro da contabilidade que inclui o registro de todas as movimentações financeiras envolvendo a empresa.

Um cliente pagou R$ 150 por uma consulta? Isso é registrado. Foi necessário comprar R$ 70 em insumos para a clínica? Registra-se.

O ideal é tentar fazer esses registros de maneira organizada. Supondo que  um paciente pagou R$ 350 por uma limpeza geral. Esse valor precisa ser registrado da seguinte forma:

  • entrada de valor: R$ 350,00;
  • motivo: limpeza geral;
  • data: 14/05/2019;
  • forma de pagamento: em dinheiro;
  • paciente: Fulano de tal.

Dessa maneira você consegue ter um controle mais preciso das movimentações financeiras da sua clínica.

5) Peça ajuda para quem saiba de contabilidade para dentistas

Se todo esse papo parece complicado demais para você (pode ser que você tenha ficado desanimado só de ler o que escrevemos), talvez o melhor seja contar com alguém especializado no assunto para fazer esse trabalho.

Busque por alguma consultoria contábil que esteja ao seu lado e saiba como é o dia a dia de um dentista, que entenda as particularidades da profissão e saiba como ajudá-lo em sua rotina de trabalho e nas obrigações contábeis.

Com a consultoria contábil especializada em dentistas, você pode focar seu trabalho apenas naquilo que mais gosta: ser dentista, cuidar dos seus pacientes e fazer as operações que foi treinado para fazer.

A parte “chata” de ter uma clínica ou de trabalhar como autônomo é justamente ter que cuidar desses assuntos que você não aprendeu na faculdade. E como são coisas onde um erro pode custar caro (muito caro em algumas situações), é importante ter uma ajuda especializada ao seu lado.

E aí, agora que você já conheceu essas dicas de contabilidade para dentista,  sente-se mais confortável em cuidar da sua carreira?

Você já conhecia alguma dessas dicas? Conte pra gente nos comentários abaixo!

Deixe seu comentário